Oftalmopediatria: conheça histórias reais de como o Eyer fez a diferença no atendimento de bebês e crianças
novembro 16, 2023
Gabriela Marques

Share

Recentemente, a Prof.ª Dr.ª Patrícia Dotto pode diagnosticar lesões retinianas em uma bebê vítima de Shaken Baby Syndrome graças ao exame de fundo de olho feito com o retinógrafo portátil.
Img Destaque Oftalmopediatria

Sem dúvida, um dos obstáculos da oftalmopediatria é conseguir realizar exames nos pequenos. Afinal, manter uma criança quieta por alguns minutos é um verdadeiro milagre. 

Essa dificuldade faz parte da rotina da oftalmologista, professora e doutora Patrícia Dotto no Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria, no Hospital Municipal São José (HMSJ) e em seu consultório, todos em Joinville (SC), e na clínica Lavinsky, em Porto Alegre (RS). 

“O principal desafio é a avaliação fundoscópica não midriática de crianças entre dez meses e três anos sem sedação ou contenção. Por isso, é fundamental criar um ambiente lúdico e calmo que traga tranquilidade para toda a família. Nesse contexto, a documentação fotográfica, ou ainda, a imagenologia fundoscópica, em tempo real permite envolver os pais no atendimento, o que melhora a relação médico-paciente e, consequentemente, impacta positivamente no seguimento e/ou tratamento da criança”. 

Dotto conta que utiliza o retinógrafo portátil Eyer para agilizar os exames nos pequenos. O equipamento, bastante indicado para investigação em bebês e crianças pela portabilidade e alta qualidade de imagem, funciona acoplado a um smartphone e realiza exames de retina em poucos minutos, além de disponibilizar as fotografias na plataforma online EyerCloud, facilitando o estudo e acompanhamento da progressão dos casos.

“O campo de visão é excelente. Sob midríase medicamentosa, também é um excelente instrumento propedêutico complementar à avaliação da média periferia da retina, particularmente de lesões hiperpigmentadas diminutas da coroide (nevus) e da retina (melanocitomas), utilizando-o como escaneamento pelo infravermelho”, explica. 

Em seu consultório, com auxílio de suporte próprio e universal adquirido com Eyer, a oftalmologista fixa o aparelho na lâmpada de fenda para facilitar a realização dos exames. “Apesar de gostar muito de utilizá-lo dessa forma, é mágico usá-lo na forma ‘móvel’ em UTIs, centro cirúrgico, home care e dentro do próprio consultório, como avaliações das crianças no colo da mãe ou na sala de espera”, ressalta. 

A médica também usa o Eyer no pronto socorro, em atendimento adulto e infantil, para documentação de doenças infecciosas e de Retinopatia da Prematuridade (ROP) nas UTIs neonatais e de adultos gravemente debilitados em UCIs, UTIs e Unidades de Queimados, além de interconsultas para neurologia, neurocirurgia, nefrologia e cardiologia e na perícia médica da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). “Carrego o Eyer, literalmente, na minha bolsa. Facilita muitíssimo o meu trabalho”, afirma.

Oftalmologista Patricia Dotto

A oftalmologista, professora e doutora Patrícia Dotto atende bebês e crianças no Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria, no Hospital Municipal São José (HMSJ) e em seu consultório, todos em Joinville (SC)

Shaken Baby Syndrome

Com o uso diário do Eyer em diversos locais, Dotto já presenciou vários casos marcantes, como o atendimento de uma criança vítima de Shaken Baby Syndrome (Síndrome do Bebê Sacudido). A síndrome ocorre quando o nenêm é chacoalhado intensamente, gerando danos cerebrais permanentes ou até morte. 

Segue relato da médica sobre o episódio:

“A criança estava em seguimento há alguns meses no hospital por convulsões e desnutrição grave. A suspeita diagnóstica do Shaken Baby foi aventada ao observarem alterações à neuroimagem (hematoma) durante a investigação complementar do estado de mal epiléptico. 

Durante a avaliação oftalmológica, no exame da acuidade visual (de grades), identifiquei que a visão de um dos olhos estava fora do intervalo de normalidade para a idade dela, apesar de não apresentar alterações da motilidade ocular. 

Ao deitá-la na maca para o mapeamento da retina, ela começou a chorar desesperadamente. Foi um exame muito difícil e chamou a minha atenção o fato de a criança eventualmente largar-se, quase que desistindo, e depois voltar a reagir, sem exibir alteração do nível de consciência. 

Foi num desses momentos que consegui fotografar o fundo do olho e identificar lesões retinianas, indicando dano grave ao sistema nervoso central. Em um caso em especial, a hemorragia era muito pequena, provavelmente por estar em reabsorção, e só consegui ter certeza do diagnóstico por causa do exame. Foi um milagre para mim e para ela.

Fiquei acabada naquele dia, mas muito grata a HaShem e à Phelcom [empresa inventora do Eyer]. O caso foi realmente investigado do ponto de vista social, as agressões foram confirmadas e as medidas cabíveis foram tomadas. 

Salvamos uma vida. E na minha religião, o judaísmo, salvar uma vida é salvar o mundo inteiro.”

Em seguida, veja as imagens desse caso feitas por Dotto com o Eyer:

Img Imagem De Fundo De Olho Feita Com O Eyer De Bebe Vitima De Shaken Baby Syndrome

Img Imagem De Fundo De Olho Feita Com O Eyer De Bebe Vitima De Shaken Baby Syndrome 4

Img Imagem De Fundo De Olho Feita Com O Eyer De Bebe Vitima De Shaken Baby Syndrome 2

Img Imagem De Fundo De Olho Feita Com O Eyer De Bebe Vitima De Shaken Baby Syndrome 3

Mais casos

Dotto faz retinografia em todos os pacientes, pois considera importante a documentação do oposto. Ou seja, do estado de normalidade da retina. “Geralmente, procuramos doenças e esquecemos da importância de deixar assegurado o registro do fundo de olho normal, pois problemas acontecem no curso da vida e é importante assegurar o momento no qual se perdeu o estado de saúde ocular”, frisa. 

Ela ressalta o caso de uma jovem de 22 anos, que deu entrada no PS com visão de movimento de mãos, grave retinopatia hipertensiva e descolamento seroso da mácula. A equipe suspeitou de Nefropatia Autoimune (IgA). “Inacreditavelmente, quatro ou cinco dias após o controle pressórico (na UTI), evoluiu para acuidade visual 20/20 (VINTE/VINTE) e resolução total do descolamento seroso”. 

Outra situação foi de uma paciente do PS com uveíte anterior e USG aparentemente normal. Após a remissão do quadro, ao mapear a retina, a médica observou uma lesão enegrecida periférica. “Usando o Eyer, consegui documentá-la. Refizemos o USG pensando em melanoma. E era mesmo um melanoma ao nível do corpo ciliar”, conta. 

Em crianças, a oftalmologista relembra o atendimento de duas pacientes com hemorragia vítrea tênue. “Após melhora da transparência dos meios, foi possível registrar a presença de malformação vascular tênue ao nível do nervo óptico”, recorda. 

Dentre as doenças mais diagnosticadas em bebês, estão a ROP, infecções congênitas, hipoplasia do nervo óptico e colobomas da retina e do nervo óptico. “Uso muito o Eyer também para quantificar o tamanho do nervo óptico e da escavação. Isso ajuda para o diagnóstico diferencial dos glaucomas suspeitos, particularmente em crianças míopes”, finaliza.

Veja abaixo algumas imagens feitas pela oftalmologista com o Eyer:

Img Imagem De Fundo De Olho Feita Com Eyer De Paciente Com Deslocamento De Retina

Paciente com deslocamento de retina.

Img Imagem De Fundo De Olho Feita Com Eyer De Paciente Com Microembilizacoes Na Coroide Devido A Covid

Paciente com microembilizações na coroide devido ao covid.

Img Imagem De Fundo De Olho Feita Com Eyer De Paciente Com Oclusao Arterial

Paciente com oclusão arterial.

Eyer

Eyer é um retinógrafo portátil que funciona acoplado a um smartphone e realiza exames de retina de alta qualidade, em poucos minutos e sem a necessidade de dilatação da pupila.

A tecnologia apoia no diagnóstico de mais de 50 doenças, dentre elas glaucoma, catarata, retinopatia diabética, DMRI, ROP, retinoblastoma, retinopatia hipertensiva e toxoplasmose ocular. Atualmente, já foram feitos mais de 10 milhões de exames no Brasil, Estados Unidos, Chile, Colômbia e Japão.

Recentemente, foi aprovado nos Emirados Árabes e está com processos regulatórios para a comercialização no México, Egito e Arábia Saudita.

A portabilidade, conectividade e integração a funções inteligentes como o EyerMaps, juntamente com o valor mais acessível da tecnologia, contribuem para o aumento do acesso aos exames de retina.

Img Eyer Footer Blog V2

RÁPIDO, INTELIGENTE E CONECTADO

O primeiro retinógrafo portátil com alta qualidade no mundo

Solicitar orçamento