eyes on

categoriesIco Header Blog Categories

Cirurgia de catarata diminui risco de demência em 30%, aponta pesquisa
janeiro 4, 2022
Gabriela Marques

Share

Estudo foi publicado no JAMA. Veja como foi feito e mais resultados.
catarata

Muitos estudos investigam a relação da perda de visão com problemas como demência, depressão e doença de Alzheimer. Isso porque as disfunções oftalmológicas afetam a qualidade de vida do paciente, provocando isolamento social, dificuldades psicossociais, redução de atividade física e falta de estímulo mental, todos fatores associados ao declínio cognitivo.

Agora, um estudo publicado no JAMA Internal Medicine descobriu que idosos submetidos à operação de catarata têm menores chances de sofrer com demência no futuro.

Em seguida, entenda como foi feita a pesquisa, os resultados e como a catarata pode estar ligada diretamente aos casos de demência.

 

Catarata e demência – a pesquisa

 

Pesquisadores da Universidade de Washington, dos Estados Unidos, avaliaram informações de aproximadamente três mil adultos, acima de 65 anos, que participam do estudo The Adult Changes in Thought (ACT) de 1994 a 2018.

Os participantes não apresentavam demência no início do estudo e foram acompanhados a cada dois anos até a ocorrência de demência. Somente os voluntários com diagnóstico de catarata ou glaucoma, antes da inscrição ou durante o acompanhamento, foram inclusos nas investigações.

A média de idade no primeiro diagnóstico de catarata foi de 74,4 anos. Desse total, 59% eram mulheres, 41% homens e 91%, caucasianos.

 

Resultados

 

Os pacientes que realizaram a extração da catarata apresentaram 30% menos chances de desenvolver demência posterior. Por pelo menos 10 anos, os voluntários não sofreram com a doença. A coordenadora da pesquisa, Cecilia S. Lee, afirmou que “nenhuma outra intervenção sinalizou uma associação tão forte com a redução do risco de demência em indivíduos mais velhos”.

Ao considerar as associações relativas de: extração de catarata, educação adicional, raça branca, história de tabagismo, sexo e a presença de um gene denominado APOE e4, a única covariável que foi mais protetora do que a cirurgia de catarata foi a presença do gene.

Os cientistas acreditam que a melhoria da qualidade sensorial das pessoas operadas contribua para o prognóstico favorável. Outra possibilidade é o fato de os indivíduos receberem mais luz azul. “Há células na retina, relacionadas à cognição e que regulam os ciclos de sono, que respondem bem à luz azul. A catarata bloqueia a luz azul e a cirurgia pode reativar essas células”, afirma Lee.

Os cientistas ressaltam que vários mecanismos hipotéticos podem estar subjacentes à associação entre a extração de catarata e o risco de demência. Porém, os resultados podem auxiliar no cuidado de pessoas idosas com visão ruim devido à catarata e com cognição prejudicada por causa de demência.

Mesmo assim, são necessários mais estudos para investigar a relação entre a extração de catarata e o risco de demência.

 

Revisado por Paulo Schor, médico oftalmologista, professor livre docente e diretor de inovação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e colaborador da Faculdade de Medicina do Hospital Albert Einstein.

 

Acompanhe o blog da Phelcom e fique por dentro das principais novidades em saúde.

 

Inscreva-se
Img Eyer Footer Blog V2

RÁPIDO, INTELIGENTE E CONECTADO

O primeiro retinógrafo portátil com alta qualidade no mundo

Solicitar orçamento