Os olhos são o espelho da alma, já diz a popular frase. Quando a empregamos na área da saúde, talvez possamos adaptá-la um pouco para “os olhos são o espelho do corpo”. Isso porque várias doenças que afetam o nosso organismo se manifestam também pelos olhos. E, em muitos casos, os primeiros sinais aparecem justamente nesta região.

Agora, uma pesquisa publicada na revista científica British Journal of Ophthalmology reforçou a tese de que os olhos também podem revelar risco de morte. Com a ajuda de um sistema de inteligência artificial, os pesquisadores observaram que pacientes com retinas que envelhecem mais rápido podem sofrer com diferentes doenças.

Em seguida, saiba mais sobre o estudo, quais são os resultados e como ajuda a reforçar a tese de que o envelhecimento da retina pode ser um indicador do aparecimento de doenças futuras.

 

Olhos e risco de morte – a pesquisa

 

Os pesquisadores avaliaram mais de 80 mil fotos do fundo do olho de 47 mil pacientes, com idade entre 40 e 69 anos, para identificar se a idade biológica da retina pode ser um indício de morte por qualquer tipo de doença.

Vale ressaltar que a idade da retina pode indicar a idade biológica do corpo, demonstrando o quanto as estruturas biológicas envelheceram. Desse modo, a idade biológica pode ser diferente da idade cronológica da pessoa.

Um sistema de inteligência artificial, desenvolvido pelos autores, determinou a idade das retinas de cada imagem. Parte dos voluntários foi monitorada por quase 11 anos.

Destes, 19.200 mil imagens de fundo de olho de 11.052 participantes sem histórico médico prévio no exame inicial foram usadas para treinar e validar o modelo de aprendizagem profunda para previsão de idade biológica. Um total de 35.913, dos 35.917 voluntários restantes, tinham dados de mortalidade disponíveis e foram usados ​​para investigar a associação entre a diferença de idade da retina e a mortalidade.

 

Os resultados

 

No total, a retina envelheceu três anos a mais que a idade cronológica em 51% dos pacientes. Já em 28%, a diferença de envelhecimento foi de cinco anos e, em 4,5%, foi de 10 anos. Além disso, 5% dos participantes faleceram durante o estudo, sendo 17% por doenças cardiovasculares, 54,5% de câncer e 28,5% de outras causas, incluindo demência.

Com isso, os cientistas observaram que cada um ano de aumento na diferença de idade da retina estava associado a um crescimento de 2% no risco de morte por qualquer doença e em 3% no risco de morte por causas específicas, exceto doenças cardiovasculares e câncer.

Os resultados corroboram trabalhos anteriores que correlacionavam o envelhecimento observado da retina e ao possível surgimento de doenças. “Nossos achados indicam que a diferença de idade da retina pode ser um potencial biomarcador de envelhecimento relacionado ao risco de morte. Dessa forma, a imagem da retina pode ser uma ferramenta de triagem para estratificação de risco e entrega de intervenções personalizadas”, conclui o artigo.

 

Fonte: Revista Galileu

 

Revisado por Paulo Schor, médico oftalmologista, professor livre docente e diretor de inovação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e colaborador da Faculdade de Medicina do Hospital Albert Einstein.

 

Acompanhe o blog da Phelcom e fique por dentro das principais novidades sobre olhos e risco de morte.

 

Inscreva-se