O uso da robótica na saúde vem crescendo cada vez mais nos últimos anos. Até 2025, o investimento mundial neste setor deve aumentar aproximadamente 20%, de acordo com relatório da Zion Market Research.

A tecnologia gera diversas vantagens aos médicos e instituições de saúde, como procedimentos mais precisos e reprodutíveis. De fato, o conhecimento do médico aliado à robótica torna o procedimento mais seguro, rápido e com menos dor e trauma ao paciente.

A tecnologia é empregada desde robôs-cirurgiões até em softwares médicos. Em seguida, conheça os benefícios da robótica na saúde e como ela atua em áreas como cirurgias, assistência médica e até na gestão do consultório.

 

Robôs x médicos

 

Em primeiro lugar, é importante destacar que a robótica na saúde não substitui os médicos. Na verdade, os robôs só funcionam quando guiados pelos seres humanos.

Isso porque os equipamentos funcionam como uma extensão da mão do cirurgião, por exemplo. Dessa forma, obedecem aos comandos e evitam tremor que toda pessoa tem, o que é um grande benefício em cirurgias delicadas e que exigem movimento milimétricos principalmente.

Outra abordagem é o planejamento de todo o procedimento e o acompanhamento da execução. Assim, caso ocorra um imprevisto, o profissional ajusta na mesma hora.

 

1.      Robótica em cirurgia

 

Parece algo novo, mas a robótica na saúde começou a ser empregada há muitos anos. As primeiras cirurgias com estes equipamentos ocorreram em 1988, em Paris.

A oftalmologia é uma das áreas em que o uso da robótica é feito há mais tempo. Um dos primeiros empregos foi no tratamento de retinopatia diabética por meio de laser. A tecnologia mede a duração, tamanho e potência de cada pulso. Para isso, o dispositivo é pré-programado para que cada tiro de laser seja igual ao anterior.

Hoje, a ferramenta também é utilizada em cirurgias refrativas para correção da miopia. Toda a programação do procedimento e a colocação dos tiros de laser na córnea do paciente é guiado por robôs, monitorado sempre por um especialista.

O sistema de robótica NGENUITY utiliza tecnologia 3D em alta definição que aumenta bastante a visualização do olho por parte do cirurgião, o que auxilia na precisão de cirurgias oftalmológicas. O médico opera olhando para uma tela 3D de alta definição, o que permite uma postura mais adequada e redução da fadiga durante o procedimento.

 

 

Outra facilidade é a utilização de filtros digitais para personalizar a visualização durante o procedimento, aumentando a imagem das estruturas oculares e camadas de tecido.

Há também robôs voltados para cirurgia de catarata e transplante de córnea, como o Ziemer e LensX. Porém, são menos utilizados no Brasil.

 

Da Vinci

 

robótica na saúde

 

Hoje, há diversas tecnologias com esse objetivo. Sem dúvida, a mais conhecida é o Da Vinci, o robô-cirurgião mais utilizado no mundo. Atualmente, soma mais de 5 milhões de pacientes atendidos. Inclusive, no Brasil.

Estes sistemas realizam cirurgias minimamente invasivas em diferentes procedimentos. Uma de suas ferramentas é um console – inspirado nos simuladores de voo – em que os médicos visualizam as imagens em 3D de alta definição e fazem os movimentos operatórios com as próprias mãos, por um joystick no formato de dedais, que são transmitidos para o robô.

Dessa forma, o médico pode mover os eixos a 360 graus, atingindo ângulos que as mãos humanas só alcançariam com muita dificuldade.

Outra aplicação é o treinamento e requalificação de estudantes, residentes e especialistas em atendimento ou dentro do centro cirúrgico. Dessa forma, é possível realizar uma análise etnográfica da atuação do profissional, que fica sozinho durante o procedimento, por meio da captação das imagens por câmera instalada no local.

A tecnologia também pode ser operada a distância por meio da telemedicina.

 

2.      Robótica em assistência médica

 

Há diversos robôs que melhoram o atendimento médico. É o caso do robô Laura, que identifica infecções generalizadas potencialmente perigosas nos pacientes e informa a equipe médica. Para isso, o robô é conectado aos prontuários eletrônicos e monitora os relatórios de saúde e informações clínicas de cada paciente. Ao identificar qualquer piora ou anormalidade, gera um alerta. Para isso, também utiliza o princípio de machine learning.

Desde sua invenção, em 2016, ajudou a reduzir em 25% a taxa de mortalidade geral, salvando 18 pacientes por dia nas instituições que trabalham com a tecnologia.

Na oftalmologia, uma das propostas é o robô Adam, que pode auxiliar na verificação da acuidade visual primária. Isso porque identifica os níveis de dificuldade visual. Em até cinco minutos, consegue detectar doenças como miopia, astigmatismo, hipermetropia e presbiopia.

 

robótica na saúde

 

Até para procedimentos que envolvem colocação de agulha, como tirar sangue e biópsia, há sistemas robóticos. É o caso do Veebot. Ele usa uma bolsa parecida à que mede a pressão arterial, tornando as veias mais visíveis. Em seguida, utiliza uma luz infravermelha e uma câmera para achar a melhor veia por meio de um software de análise de imagens.

A profundidade com que a agulha é espetada é pré-calculada e todo o processo levará cerca de um minuto. O sistema acerta na escolha da veia em 83% dos casos. Além disso, o procedimento é menos doloroso ao paciente.

 

3.      Robôs na gestão do consultório

 

Imagine recepcionar seu paciente com a ajuda de um robô? Inventado no Japão, o Pepper é utilizado em diversos países para recepção de lojas, exposições, locais públicos e, inclusive, em consultórios médicos.

O robô tem aparência de humano: olhos gigantes, rosto de criança, braços, mãos, 1,20 metros de altura, 30 quilos e tela acoplada no peito. Dentre seus principais diferenciais, estão a capacidade de analisar as emoções das pessoas por meio de expressão facial e tom de voz.

Para isso, utiliza tecnologia de reconhecimento de voz, câmeras e sensores e avalia todos esses dados em um sistema baseado em redes neurais artificiais. Dessa forma, consegue modificar a voz, a cor dos olhos, mexer os braços e mostrar imagens na tela conforme as emoções da pessoa.

De fato, o Pepper e nenhum outro robô pode substituir os profissionais da área. Entretanto, é de grande auxílio na melhoria do atendimento, na redução de custos, em procedimentos mais precisos e menos invasivos, no aumento da agilidade e na diminuição de dores no paciente.

 

Revisado por Paulo Schor, médico oftalmologista, professor livre docente e diretor de inovação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e colaborador da Faculdade de Medicina do Hospital Albert Einstein.

 

Acompanhe o blog da Phelcom e fique por dentro das principais novidades em robótica na saúde!

 

Inscreva-se