No ano passado, a pandemia provocou redução drástica no número de atendimentos médicos relacionados às outras doenças. E a oftalmologia foi uma das especialidades mais afetadas dentro do Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), aproximadamente 3,7 milhões de consultas deixaram de ser feitas em 2020. O número representa uma queda de 35%. Os dados foram extraídos do Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) do SUS.

As cirurgias oftálmicas também diminuíram 27% neste período. Em seguida, veja mais dados sobre a queda em consultas oftalmológicas e como isso afeta a saúde da população.

 

Queda em consultas oftalmológicas em 2020

 

O CBO comparou os números de atendimentos oftálmicos realizados em 2019 e em 2020. No ano pré-pandêmico, ocorreram 10,8 milhões de consultas pelo SUS. Já no ano seguinte, foram registradas 7,1 milhões.

O pior período foi em abril e maio, logo após o início da pandemia no Brasil, com redução de 74% e 71%, respectivamente. Em 2019, houve 1,8 milhão de atendimentos nestes dois meses e em 2020, 509 mil, menos de um terço.

O CBO avalia que “esse resultado tem consequência direta no diagnóstico e no tratamento precoce de doenças oftalmológicas, como glaucoma, catarata ou retinopatia diabética”.

 

queda em consultas oftalmológicas

 

Cirurgias

 

Consequentemente, as cirurgias em oftalmologia também sofreram redução devido à pandemia. Há dois anos, 1,4 milhão de procedimentos foram realizados. No ano passado, esse número caiu para pouco mais de 1 milhão. Ou seja, cerca de 390 mil cirurgias deixaram de ser realizadas.

Para o CBO, os fatores que contribuíram para esses resultados foram a restrição de cirurgias eletivas em determinados períodos, para evitar a disseminação do vírus, e o isolamento social feito pela população.

 

2021

 

O conselho afirma que os dados do primeiro semestre deste ano demonstram uma retomada nas consultas oftalmológicas. Porém, não deve ultrapassar os números de 2019, uma vez que houve 400 mil atendimentos a menos no comparativo deste período – 5,2 milhões x 4,8 milhões.

De janeiro a junho, os pacientes de 60 a 74 anos foram os mais atendidos, representando 31% de todas as consultas feitas. Já em relação às cirurgias oftalmológicas, pacientes a partir dos 55 anos corresponderam a 67% do total.

Das cirurgias realizadas, o primeiro lugar é da facoemulsificação com implante de lente intraocular dobrável: 37% do total. Em seguida, estão tratamento cirúrgico de pterigio e fotocoagulação a laser.

O CBO acredita que esta melhora é devido ao avanço da vacinação e o retorno do acesso às unidades de atendimento ambulatorial e hospitalar. Entretanto, o número é ainda preocupante. Apesar do aumento de 29% nos procedimentos de 2020 para 2021, o número é ainda menor em relação à 2019: 13% abaixo.

Sobre as regiões brasileiras que mais sofrearam o impacto da queda de cirurgias oftalmológicas na pandemia, está o Nordeste, com menos 39% de procedimentos em 2020, Centro-Oeste (-34%), Sul (-33%), Sudeste (-22%) e Norte (-1%).

A queda em consultas oftalmológicas e em exames para o diagnóstico precoce prejudicou milhares de pacientes, que podem apresentar problemas oculares em estágio avançado no futuro. “Desta forma, o controle dessas doenças fica mais complexo e difícil, com aumento da possibilidade de comprometimento da visão, seja total ou parcial”, avalia o presidente do CBO, José Beniz Neto.

Para a população, é fundamental retomar as consultas periódicas com o oftalmologista para prevenção e diagnóstico precoce de doenças, principalmente as que são assintomáticas na fase inicial, como o glaucoma.

 

Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e Agência Brasil.

 

Revisado por Paulo Schor, médico oftalmologista, professor livre docente e diretor de inovação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e colaborador da Faculdade de Medicina do Hospital Albert Einstein.

 

Acompanhe o blog da Phelcom e fique por dentro das principais novidades sobre oftalmologia!

 

Inscreva-se