Com a pandemia e a necessidade de isolamento social, as crianças passaram a ficar mais tempo em casa no mundo todo. Na rotina, mais horas em frente às telas e menos atividades ao ar livre nos momentos de lazer. O “novo normal”, vivenciado há um ano e meio, já cobra o seu preço: o crescimento da miopia entre crianças de 6 a 8 anos na China.

Um estudo divulgado no periódico Journal of the American Medical Association (Jama), com 123 mil crianças e adolescentes, mostrou crescimento de até quatro vezes no número de diagnósticos durante a pandemia em comparação aos anos anteriores.

Em seguida, entenda como foi feita a pesquisa, os dados levantados e quais são as recomendações dos especialistas para frear o avanço da doença entre os jovens.

 

O estudo

 

Os pesquisadores examinaram 123 mil crianças e adolescentes, entre 6 e 13 anos, em escolas de Feicheng, na China, em 2020. A técnica utilizada para avaliação foi a photoscreening, câmera que analisa os olhos sem a necessidade de dilatação da pupila.

As crianças de 6 anos foram as que mais sofreram com o aumento da miopia: de 5,7%, entre 2015 e 2019, para 21,5% em 2020. Já as de 7 anos, neste mesmo período, apresentaram crescimento de 16,2% para 26,2% e as de 8 anos, de 27,7% para 37,2%. O aumento do grau de miopia também chamou atenção: 1,5 a 2 graus.

Já no grupo de 9 a 13 anos, não houve evolução significativa.

Outro resultado interessante é que as meninas desenvolveram miopia mais cedo do que os meninos.

Com isso, os pesquisadores concluíram que o isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus pode influenciar no desenvolvimento da miopia em crianças. Principalmente entre as de seis a oito anos por estarem em uma etapa mais sensível ao surgimento do problema.

 

O aumento da miopia lá fora também ocorre aqui?

 

No Brasil, não há dados concretos sobre o aumento da miopia em crianças e adolescentes durante a pandemia. Mas, em um levantamento recente realizado pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), 72% dos oftalmologistas relataram crescimento de diagnósticos em pacientes entre zero e 19 anos.

Ao todo, foram ouvidos 295 oftalmologistas especialistas em diversas áreas, como retina, córnea, glaucoma e pediatria, entre abril e junho deste ano. Para 76% dos médicos, a exposição excessiva aos dispositivos eletrônicos pode ter relação direta com a explosão de casos. Já para 22%, apenas smartphones e tabletes podem ser os culpados. Por outro lado, um pequeno percentual dos especialistas julga não haver ligação entre os dois acontecimentos.

 

Menos tela, mais ar livre

 

O aumento da miopia em jovens durante a pandemia é influenciado por fatores genéticos e ambientais. A doença pode ser hereditária e passar de pai para filho. Já em relação às condições externas, o problema está no período maior focado em objetos muito próximos dos olhos e sem descanso e a menor exposição à luz solar.

Enxergar as coisas muito perto, a menos de 33 centímetros dos olhos, e sem intervalo causa a liberação de agentes químicos dentro do olho, o que pode aumentar o globo ocular e provocar o crescimento da miopia.

Outro agravante é a evolução para a miopia grave, que afeta seriamente a visão. Atualmente, a doença sem tratamento é a principal causa de deficiência visual leve e moderada e a segunda maior causa de cegueira no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Além disso, pode provocar problemas mais graves no futuro, como glaucoma, catarata e descolamento de retina.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) tem recomendações sobre o uso de telas por crianças e adolescentes. Dentre as principais, estão não expor crianças de até dois anos às telas, mesmo que passivamente. Entre dois e cinco anos, apenas uma hora diária. Já dos seis aos dez anos, duas horas por dia. Outras orientações são evitar as telas durante as refeições e duas horas antes de dormir. E, quando usar, fazer pausas periódicas a cada 30 minutos ou 1 hora seguidas.

Ao mesmo tempo, é fundamental aumentar as atividades ao ar livre para diminuir os casos. Isso porque a luz solar libera neurotransmissores que reduzem o aumento do olho.

 

Miopia: a epidemia do século

 

Já faz alguns anos que a OMS alerta para uma epidemia de miopia em todo o mundo. Isso porque a entidade estima que a doença afeta 35% da população atualmente e deve atingir mais da metade (52%) em 2050. Só no Brasil, a organização acredita que há 59 milhões de míopes.

 

Visitas regulares ao oftalmologista

 

Como frear o aumento da miopia entre crianças e adolescentes além da redução do foco em objetos muito próximo dos olhos e sem intervalos e o aumento do tempo ao ar livre? O ideal é que os responsáveis não levem os jovens ao oftalmologista apenas quando há algum problema visual. É essencial manter uma rotina de visitas ao especialista, principalmente porque é nesta fase que é possível prevenir e diagnosticar precocemente distúrbios nos olhos.

 

Revisado por Paulo Schor, médico oftalmologista, professor livre docente e diretor de inovação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e colaborador da Faculdade de Medicina do Hospital Albert Einstein.

 

Acompanhe o blog da Phelcom e fique por dentro das principais novidades em pesquisas na área de saúde!

 

Inscreva-se